Non draco sit mihi dux

Como resumir a Mostra das Profissões da UFMG em um versículo bíblico?

“Novamente o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles. E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.”

Oremos.

Escatologia da escrita

Enquanto isso, nos banheiros da Faculdade de Letras, alunos exercitam o lado mais, digamos, visceral de suas verves:

Barthes, o incompetente

De quê adiantou matar o autor se, no lugar dessa instância, surgiram a polissemia do texto, a polifonia intertextual que transforma o texto em coisa-de-ninguém e a promoção do leitor a deus segundo a estética da recepção?

Sempre haverá um autor: se não é Cervantes, é Pierre Ménard.
Muito antes de Menino do Santo Ofício, talvez Compagnon.

Merda.

Anedota

Hoje, uma daquelas almas muito espirituosas falou sobre um tal de eletromagnetismo linguístico.

E assim, Saussure e Faraday reviraram-se em seus túmulos.

Inri e o amor cristão

Conhece aquele mandamento cristão que exorta a “amar o próximo como a ti mesmo”?

Pois bem, parece que Aquele que justamente deveria dar o exemplo não concorda muito com isso. Afinal,  o conceito de “próximo” talvez não inclua, metonimicamente falando, órgãos e tecidos.

Se bem que, para Quem já deu a vida por toda a humanidade, não custa nada doar nem que sejam as córneas, poxa.

Acerca de Bial e algumas espiadinhas

Pedro Bial guarda uma calcinha da ex-BBB Priscila junto a um pedaço do muro de Berlim.

Enfim, objeto de arte por objeto de arte – ou o que se pode chamar de “conciliar desejos individuais com fatos históricos/culturais de relevância mundial” – que tal colocar aí do ladinho do seu Di Cavalcanti ou do seu Romero Britto isto aqui ó, Bial:

E viva o ready-made!

Fator Civita

Conjecturando um possível desenrolar de campanha eleitoral, aliado a um determinado resultado nas urnas, é possível resumir toda essa sutil imparcialidade da Veja em duas palavras:

“fogo amigo”

Que assim seja.