E se… I

E se as escolas de samba do Rio de Janeiro cancelassem o carnaval deste ano em sinal de luto às vítimas das enchentes?
Oremos.

Lúcido provérbio ouvido em um ônibus, vulgo palco da vida.

E se… II

E se o hit do verão, ao invés disto:

fosse isto:

?
Reflitemos.

Publicar em papel? Pra quê?

Reproduzimos aqui o instigante texto de Júlio Daio Borges, editor do site Digestivo Cultural. Embora datada de 2007(ano em que o texto que se segue foi ironicamente publicado no Suplemento Literário), sua perspectiva crítica acerca da relação entre mercado editorial, internet e público leitor – perpassada por uma abordagem sutilmente ácida, o que, para nós, já é algo familiar – soa absurdamente atual.

+

Nove entre dez escrevinhadores que me aparecem, desejam, ardentemente, publicar em livro. Não sou editor de livros, sou editor de internet, mas pressinto que – na maioria dos casos – o meu site é visto como um ritual de passagem para finalmente, um dia, estrear em livro. Continua como uma das mais fortes ilusões, mesmo nos dias de hoje. Aqui, eu pretendo demonstrar, contudo, que publicar em livro pode ser – como aliás é, na maior parte das vezes – uma tremenda de uma fria. E por uma razNove entre dez escrevinhadores que me aparecem, desejam, ardentemente, publicar em livro. Não sou editor de livros, sou editor de internet, mas pressinto que – na maioria dos casos – o meu site é visto como um ritual de passagem para finalmente, um dia, estrear em livro. Continua como uma das mais fortes ilusões, mesmo nos dias de hoje. Aqui, eu pretendo demonstrar, contudo, que publicar em livro pode ser – como aliás é, na maior parte das vezes – uma tremenda de uma fria. E por uma razão bastante simples: muito do que se espera de um livro com o próprio nome na capa, a internet já oferece, de graça, para estreantes na arte da escrita.

É mais fácil, em termos de raciocínio – e para não dizerem que eu generalizo – tomar o meu caso, nos verdes anos em que eu ainda escrevia. Eu pegava um livro do Rubem Fonseca, por exemplo. Olhava a capa, virava, apalpava, apreciava a lombada. Naquela época – os anos 90 –, os livros da Companhia das Letras eram tão incomparavelmente mais bonitos que todo mundo queria publicar por ela. (Ainda querem, eu sei…) Eu escrevia mas, provavelmente, não queria fazer literatura – eu queria publicar. Ter meu nome nas estantes. Ir ao Jô Soares e impressionar o mesmo jovem da minha idade que, de repente, entrando numa livraria, se aventuraria a comprar um livro. Eu não sabia nada da vida dos escritores. Eu não tinha nenhuma noção de como funcionava o mercado editorial. Mas eu me achava bom, acreditava, claro, que merecia ser (re)conhecido – e publicar, então, era meu objetivo.

Os jovens escrevinhadores, de lá pra cá, não mudaram muito. A diferença é que, além do Rubem Fonseca, podem, agora, lamber com os olhos os livros de escritores estreantes – tão ruins ou piores do que seu potencial público leitor. De modo que é bastante freqüente a pergunta: “Se até esse sujeito publica, por que eu não posso (também publicar)?”. Pode. Não custa tão caro; algumas editoras até se dispõem a fazê-lo… (traindo, naturalmente, sua função primordial de “editar”). A questão é que, depois de publicar, não acontece nada. Não acontece nada do que você, jovem escrevinhador, imaginava que fosse acontecer. Pergunte para os blogueiros-escritores. Eles estão disponíveis aí na internet, no e-mail. Os livros fizeram deles, autores, mais conhecidos do que já eram com seus blogs? A resposta é: não. A resposta é: existem, atualmente, blogueiros mais famosos do que autores de livros lançados aos montes no mercado editorial.

Vamos agora ver onde está o erro de quem almeja publicar em livro. Em primeiro lugar – apesar da quantidade de livros de novatos que você encontra –, o autor novo é considerado um “mico” pelos profissionais do mercado. Pergunte a qualquer agente literário. Pergunte a qualquer livreiro. Autores novos chegam semi-analfabetos, com seus originais, às editoras; algumas os lançam mas, depois, não conseguem nem distribuir; afinal, ninguém os conhece, nenhuma livraria quer… E é igual na mídia: neste mundo de autores de best-sellers que publicam todo ano (nacionais e estrangeiros), e das reedições infinitas (e traduções novas – a moda agora são os autores russos), não sobra espaço para a divulgação de estreantes. E os livros deles são ruins! Muito comumente, os autores pagam para publicar – e o editor termina por se eximir da sua única obrigação (editar, mais uma vez). “O leitor que julgue”, dizem. Coitado do leitor: tem de arcar com quase todo o prejuízo sozinho.

Seguindo essa cadeia de premissas: o dono da livraria não pega para vender (porque sabe que não vende), então ninguém vê exposto, portanto ninguém compra; o jornalista não pega para ler (porque, quando tenta, estatisticamente, não consegue avançar), assim ninguém fica sabendo e, de novo, ninguém compra. Resultado: o autor estreante não alcança seus potenciais leitores; termina menos conhecido – e, com certeza, mais pobre – do que antes. Ah, eu sei: você pode ter uma idéia genial, que ninguém ainda teve; convencer, ao mesmo tempo, o editor, o livreiro, o divulgador e o leitor. E vai ser, óbvio, um sucesso estrondoso. Mas você se esqueceu? Você é um autor novo! Para todos os efeitos, ninguém vai olhar para a sua cara. Os editores estão cansados dos originais sem qualidade que recebem de desconhecidos todos os dias; os livreiros estão escaldados por ter de pagar a conta das pequenas editoras falidas; o resenhista não tem mais paciência para as primeiras páginas que não o convencem da leitura; e os leitores, por causa de tudo isso, não vão chegar a saber que você existe (você e seu livro).

Qual a solução? Se matar? Não, ainda… Desde os anos 90, existe um negócio chamado internet (não sei se você sabe…). E desde os anos 2000, ou desde antes, existe um negócio chamado blog. O autor, qual seja, não precisa mais esperar por um editor, para ter seus escritos publicados. Nem precisa de alguém para distribuir, para divulgar. Só precisa ter leitores; ou seja, como qualquer escritor (publicado ou não), precisa ir conquistando leitores aos poucos. E esse é hoje o verdadeiro teste para dizer se um autor é bom ou não (se quiserem, publicável ou não): a audiência on-line. Na internet, no blog, ninguém está olhando para a embalagem que envolve seus escritos; ninguém está ligando para o local onde sua obra foi exposta. Se você for bom, você vai ter leitores, ponto. (Que é o que interessa, no final das contas.)

Mais uma coisinha: os leitores da internet, os leitores de hoje, não estão acostumados a ler “contos”, “novelas”, “romances” (seja menos pretensioso…). Os internautas – o grosso do potencial público leitor – estão voltando a ler aos poucos. Então não me venha com contos que “experimentam” com a linguagem, nem com romances desestruturados e com centenas de páginas. Escreva para a internet; a internet é o grande laboratório hoje. E os feedbacks vêm na hora: você não tem de esperar o leitor se convencer a procurar o livro, comprar, ler inteiro, para, só assim, gostar ou não. É muito difícil, custa dinheiro e – vamos admitir – você é um autor novo: você ainda não é suficientemente importante para ele, leitor, a ponto de justificar todo esse dispêndio de energia e tempo. Seja franco: você compraria um livro de um autor desconhecido? E, se ganhasse de presente, você leria? Não tenha vergonha de admitir, eu também não faria nenhuma das duas coisas em princípio. Agora se me mandassem um link para um blog, – como você – eu leria. São muitos blogs, sim, mas eu tento ler. Agora, os livros…

Conheço um blogueiro que é muito mais conhecido do que seus livros de títulos horríveis. E ele é um blogueiro tão bom – tão, assustadoramente, bom – que ninguém tem coragem de dizer para ele que os seus livros são ruins. Então ele insiste; e, de tempos em tempos, anuncia que vai largar esse negócio de blog, que ele não quer envelhecer blogando, que ele é, acima de tudo, um escritor (!). Evidentemente, não garanto que, se você for um blogueiro competente, você vá publicar, como quer, um livro em papel. Mas vai ficar mais perto do que as pessoas querem ler hoje; não vai ter de esperar anos, ou a vida inteira até, para constatar que seus livros são uma porcaria. Ambições literárias são saudáveis para quem escreve, mas publicar um livro não pode ser o único fim hoje. Publicar, como diz o clichê, é tornar público – e, nesse sentido, a internet vai muito mais longe do que o livro. Pense nisso.

+

Dicionário ilustrado de termos do jornalismo

faits divers“:

De acordo com o contexto, pode ser empregado como sinônimo de sensacionalismo ou penny press, embora semanticamente se recomende empregá-lo como termo metonímico-cômico para a expressão a outra versão da história.

Créditos para o Sensacionalista, um jornal assumidamente isento de verdade.

#euamobrazilradicalmente

Algumas impressões de um jovem intercambista estadunidense acerca do Brasil – outrora Pindorama – e dos hábitos desta terra:

Maldito yankee? Pior que não: cada geração tem o Gândavo que merece. Ele volta cheio de relatos e nós ficamos com cartões postais de Chicago.

R.I.P III

Desejamos um feliz aniversário a alguém ao qual o ostracismo, definitivamente, caiu muito, muito bem:

Desejamos também todas as condolências e pêsames a quem se lembra do referido cadáver aniversariante. Um beijãozão, pessoal.

Derridaísmos

Por mais que se afaste do conceito de destruição, o processo de desconstrução sugerido por Jacques Derrida sempre acaba aniquilando as convicções mais sólidas e cândidas. Não que já não houvesse a perspectiva de se considerar uma dada leitura como possível muito mais do que correta ou absoluta, mas convenhamos:







Desconstruir Ursinho Pooh, mesmo que em nome dessa tal pós-modernidade-pós-estruturalista, é demais.
Esperto foi Derrida, que formulou a teoria da desconstrução de tal modo que tudo pudesse ser desconstruído – menos as ideias dele.