FaE e seus aforismas

A Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais tem se mostrado uma excelente produtora de metodologias educacionais que negligenciam a realidade aforismas, sejam eles de teor psico-sócio-didático-pedagógico ou não – não diretamente, claro.

Vamos aos três melhores e mais edificantes aforismas dos últimos dias:

“O Facebook é a extensão do ego”.
“Jesus é o caminho; algumas pessoas são o pedágio”.
“Os hormônios são inimigos da ética”.

Meditemos.

Anúncios

Errata – ou Do homicídio doloso II

Uma sutil advertência aos calouros que chegam à Faculdade de Letras da UFMG: não acreditem em tudo que os veteranos falam. Não existe monstro no milharal, não existe mais uma escada que não leva para lugar nenhum,

_______________ah, e Noam Chomsky não morreu!

Rancor com a Teoria Gerativa e com o Programa Minimalista dá nisso. Se não for predileção pelo Saussure, deve ser falha no desempenho – em todos os sentidos.

Da alteridade e seus ofícios

Belo Horizonte, 17 de janeiro de 2011.
Ofício nº. 002/11

O NEIA – Núcleo de Estudos Interdisciplinares da Alteridade (FALE/UFMG) -, em nome de todos os seus princípios e objetivos frente às discussões a respeito das representações de gênero, raça/etnia, cultura popular, homoerotismo, diásporas e tutti quanti, e às questões que dizem respeito às expressões minoritárias, ao Outro e a todas as outras oportunas vantagens proporcionadas pelos Estudos Culturais, apela a todos os seus membros que se unam em prol da permanência da participante Ariadna na competição do BBB.

Assina Inconstância, vulgo Veleidade.

Acerca do ENEM e outras parábolas

O Inep divulgou hoje o resultado do ENEM 2010, cumprindo assim não só os prazos estabelecidos em seu calendário como também a profecia contida em Mateus 13:49-51.
A todos os candidatos que já se sentem destituídos do Reino dos Céus, favor não seguir a prudente sugestão apontada pelo Sisu.

Amém.

#desabafo

Se tem uma lição que 2010 nos admoestou muito bem foi “Consumidor: exija os seus direitos!”. A escola Tulla Luana de reclamações ensina que, ainda que você seja uma vítima do ENEM, acredite: reivindique-os – ou simplesmente desabafe:

Sugere-se que os candidatos ao vestibular da UFMG ensinem ao garoto do vídeo alguns gritos de guerra propícios para esse tipo de choramingo vitupério, principalmente porque argumentos como “fazer a egípcia pra mim”, “deixei de ver meus ídolos do queprúsculo” ou “e vai tomar no cu quem não gostar do vídeo”  não são tão convincentes.

Exame Nacional do Ensino…

Frente ao iminente colapso da máfia do sistema de cursos pré-vestibulares, a necessidade de um diferencial que aja como estratégia inovadora e potencialmente atraente se tornou imperativa, sobretudo em Belo Horizonte, onde os cursinhos são monopolizados pelos irmãos Rodrigo e Rommel Domingos ou por Paulo Miranda  bastante competitivos. O problema é quando o diferencial é inovador demais:

O pior é que, dessa vez, a culpa não é do ENEM – com “M”, de preferência. Ainda bem que o cursinho se chama Soma; porque se se chamasse Sigla

p.s.: esta postagem NÃO foi patrocinada por Paulo Lamac.

Reitoria e seu ethos prévio

Em sua primeira reunião com a Comissão Permanente de Vestibular da UFMG, o reitor Clélio Campolina fez questão de tocar em duas feridas mal cicatrizadas na instituição: ENEM e SiSU. Valendo-se da posição do antigo reitor sobre o assunto, muito bem expressa, aliás, em “funcionários podem expressar suas opiniões individuais, mas que só o reitor fala pela universidade” (PENA, Tadeu. Blá blá blá e outros discursos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.), Campolina afirmou que, particularmente, se diz favorável aos modelos de ENEM e SiSu. Por pressuposição, insira Reuni junto aos termos anteriores.

Mais uma vez, contou-se com a colaboração daquele mesmo professor de Análise do Discurso que, por não gostar muito da idéia, desabafou com seus alunos, permitindo que tudo isso se fizesse público.

Haja Forcops e Patrick Charadeau!